10 Oportunidades para o PPCP da Indústria 4.0

O assunto Indústria 4.0 é provavelmente o tema mais recorrente nas empresas de manufatura atualmente. O conceito, que é tão significativo que chega a ser classificado como uma nova revolução industrial, pressupõe uma fábrica inteligente em que as máquinas e os sistemas estão totalmente conectados. Neste artigo, vamos abordar como o PPCP pode se adaptar e evoluir para explorar as oportunidades gerados pela evolução da manufatura no contexto da Indústria 4.0.

 

shutterstock_1228445392 (Large)1. PROGRAMAÇÃO AUTÔNOMA E INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL
Idealmente, todas as regras e critérios de programação já estão previamente definidos para que a execução da programação possa ser feita de forma totalmente autônoma. A interferência do programador deve ser mínima, de preferência que tenha que ser justificada e comparada com o cenário automático anterior para ser aprovada.
Se existem critérios excepcionais que devem ser considerados, estes devem ser informados a partir de parametrizações no sistema mas evitando interferências manuais. Se as regras do sistema de programação não consideram todas as principais variáveis, é um indício que essas regras precisam ser melhoradas ou o sistema precisa ser revisto. Numa programação autônoma, a cada breve intervalo de tempo, o sistema se atualiza com as novas ordens e apontamentos e reprograma a fábrica, mantendo a equipe informada a partir de notificações inteligentes quando está tudo dentro dos limites esperados ou enviando alertas para o programador. Dessa forma, é possível disponibilizar o equivalente a um PCP 24 horas por dia e garantir a programação sempre balanceada e atualizada para a fábrica.

 

shutterstock_1211693254 (Large)2. TOTAL CONTROLE SOBRE OS RECURSOS
No PCP da Indústria 4.0, não é somente a capacidade de algumas máquinas específicas que é controlado e gerenciado. Pelo contrário, todos os recursos finitos devem ser conhecidos e gerenciados, inclusive Operadores e Ferramentas. A mão de obra necessária para realizar cada operação deve considerar as variações de cada tipo de produto e máquina, os operadores precisam estar definidos de acordo com a sua multi-funcionalidade entre setores diferentes e a disponibilidade de mão de obra detalhada deve ser considerada, em alguns casos até mesmo integrando com o sistema de RH e relógio ponto. Dessa forma, o PPCP pode orientar para a fábrica a alocação de mão de obra necessária de acordo com a programação considerando todas as características e limitações reais do processo.

 

3. FÁBRICA SEM PAPELshutterstock_1232312080 (Large)
Na fábrica da Indústria 4.0 não existe mais espaço para papel. A programação da programação deve ser enviada para fábrica de forma digital. Não é mais aceitável imprimir a alocação dos recursos ou um relatório com o sequenciamento e entregar a papelada para os supervisores de produção. Ao invés disso, a programação deve ser liberada automaticamente em telas semelhantes ao de um aeroporto ou, quando possível, enviados para o próprio terminal de cada máquina, centralizando no mesmo ambiente a interface de apontamento e programação. Dessa forma, as mudanças podem ser feitas de modo muito mais ágil, tendo em vista que não é preciso recolher as versões antigas e reimprimir a programação quando houver qualquer mudança.

 

shutterstock_1233943657 (Large)4. MOVIMENTAÇÃO ORIENTADA PELA PROGRAMAÇÃO
No PPCP do futuro, não é feito apenas o sequenciamento das máquinas, mas a movimentação é considerada e até mesmo orientada pelo sistema de programação da produção. Os critérios de programação já devem considerar a localização física dos recursos e alocar as máquinas de modo a minimizar fluxo cruzado ou movimentações desnecessárias entre recursos anteriores e posteriores que ficam distantes entre si. Além disso, a programação disponibilizada pode orientar a movimentação, informando o recurso subsequente ao qual o material deve ser enviado após a produção. Em alguns casos, a própria rota de movimentação dos AGVs pode ser definida a partir da programação detalhada.

 

5. MANUTENÇÃO CONECTADAshutterstock_1232923360 (Large)
O PPCP do futuro não trabalha isolado. As interfaces com as principais áreas da empresa são fundamentais para obter melhores performances. Nesse sentido, um fluxo ágil de informações entre o PPCP e a Manutenção é fundamental. Idealmente, quando o operador registra um pedido de manutenção em um determinado equipamento, o PPCP deve receber imediatamente esse sinal e dependendo do tipo de problema (baseado no histórico do tempo de reparo) já redistribuir as ordens e rebalancear a programação em recursos alternativos para tentar minimizar o impacto.

 

shutterstock_1137379298 (Large)

6. MACHINE LEARNING PARA IDENTIFICAR PADRÕES
No contexto da fábrica conectada, as definições de regras de preferência não são mais arbitradas ou definidas somente pela experiência das pessoas, mas sim devem ser calculadas baseadas em algoritmos de Machine Learning para que o sistema aprenda a identificar padrões para ganhos de produtividade a medida que ele for mais e mais usado. Por exemplo, a partir das primeiras ordens produzidas de um novo produto, o sistema pode identificar que a eficiência de produção em algumas máquinas é muito melhor do que em outras, e priorizar a alocação das próximas ordens nos recursos que melhor desempenharam no passado recente. Assim, a programação vai ser enviada considerando as máquinas com melhor performance para determinados produtos (ou moldes, por exemplo), sem depender da experiência das pessoas e de um cadastro de prioridades que rapidamente pode ficar obsoleto.

 

7. INDICADORES DE ADERÊNCIAshutterstock_519469369 (Large)
O principal indicador da fábrica do futuro é a aderência da programação. Ao invés de controlar a produção por unidades produzidas, o que gera distorções pela variação de mix ou comportamentos indesejados de prioridades, a principal função da fábrica passa a ser executar toda a programação com o mínimo possível de variação, tendo em vista que o PPCP já levou em conta todas as principais variáveis e restrições operacionais para garantir uma programação factível e adequada às estratégias de produção.

 

shutterstock_557355178 (Large)8. REPROGRAMAÇÃO ÁGIL
Não é apenas a Programação da Produção que deve ser ágil, mas a Reprogramação também. No PPCP da indústria 4.0, o sistema de planejamento deve estar conectado lendo os dados a partir dos sensores da máquina, de forma que qualquer variação de performance possa ser rapidamente atualizada e eventualmente recalculada. Se houver problemas de refugo, falta de operadores ou indisponibilidade inesperada de matérias-primas, o PPCP consegue rapidamente se atualizar de forma digital e reprogramar a fábrica rapidamente tentando gerar o mínimo de impacto.

 

shutterstock_789438658 (Large)9. PROMESSA DE ENTREGA EM TEMPO REAL
No contexto da Indústria 4.0, o processo de promessa de prazo de entrega também é feito de forma conectada com a fábrica. A partir de uma consulta em tempo real da programação detalhada da produção, os prazos de entregas dos novos pedidos são feitos levando em consideração os roteiros detalhados dos produtos e a disponibilidade projetada dos insumos. Mesmo que se trate de produtos de lançamento que ainda não estão cadastrados no ERP, a simulação pode ser realizada a partir de analogia com produtos semelhantes ou integração com roteiro e estrutura do sistema de PLM (Product Lifecycle Management).

 

shutterstock_1018564165 (Large)10. PLANEJAMENTO AVANÇADO DE CENÁRIOS
Não são apenas os processos de programação da produção da produção que podem potencializar e ser beneficiados pelo advento da Indústria 4.0. O planejamento de médio longo prazo também pode e deve ser inserido nesse contato. Nesse contexto, a tomada de decisão passa a ser totalmente baseada em cenários avançados, gerando informações condensadas e gerenciais a partir de dados minuciosamente calculados. Os processos de S&OP passam a considerar a capacidade detalhada e a real disponibilidade de todos os recursos da fábrica. Não é mais necessário se limitar a realizar apenas 1 plano por mês, a qualquer momento o sistema pode se conectar a entrada real dos pedidos e a situação atualizada da fábrica para recalcular os cenários e redirecionar os rumos ao longo do mês, Todas as decisões são quantificadas e apresentadas com a integração financeira para análise executiva dos cenários.

Estas oportunidades fazem parte das tendências em PPCP, mas ao mesmo tempo muitas delas já são realidades em clientes da NEO. Se você gostaria de explorar melhor estes pontos na sua indústria, entre em contato conosco e dê o próximo passo nessa revolução industrial!

Alexandre Erhart
Engenheiro de Produção com especialização em Logística Empresarial. Possui 10 anos de experiência em consultoria de gestão da produção e sistemas APS e é responsável por dezenas de cases reconhecidos e premiados internacionalmente. Dedica-se a pesquisar ferramentas e técnicas de gestão da manufatura e a encontrar formas de adaptá-las com um toque de criatividade e tecnologia à realidade das empresas em que presta consultoria. Apaixonado por viagens, ex-lutador de boxe e aventureiro nas artes culinárias, adora ouvir blues ou clássicos do rock e degustar cervejas especiais.
Leia mais posts de Alexandre Erhart